Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Outro dia

Outro dia

02
Nov18

2018

Bast

Este ano, fui anotando ao longo dos meses as coisas que fui fazendo ou que me foram acontecendo de forma a chegar ao final e perceber aquilo que, apesar de na altura parecer pouco, afinal de contas se traduziu em coisas boas ou que contribuiu algo maior que me tenha acontecido.

Hoje fui espreitar para ver a quantas anda isto:

Janeiro: Fiz trabalhos em artesanato e projectos pequeninos de DIY, que ainda que não tenha dado grande continuidade, serviu para descobrir algo que me relaxa e de que gosto muito.

Fevereiro: Resolvi contactar todos os credores dos meus créditos e renegociei, revi planos de pagamentos, refiz orçamentos e iniciei um novo plano financeiro. A par disto recebi uma proposta da seguradora com quem trabalho para um projecto de mediadores que queriam iniciar.

Março: A par da proposta anterior, um antigo colega de trabalho contactou-me e iniciamos uma parceria no âmbito desse mesmo projecto.

Abril: Fui para Lisboa para formação, deixando a bebé com 6 meses ao cuidado do pai: o maior desafio pelo que passei até hoje. Percebi que era mais do que mãe. A par disto fiz uma formação com a minha irmã e amigas, completamente fora da minha área profissional, em horário pós laboral, o que me ajudou a conhecer gente nova e me deu contactos para coisas que surgiram posteriormente.

Maio: Conclui no Porto a formação que iniciei em Lisboa, conheci gente nova com áreas de negócio completamente diferentes da minha e tirei finalmente o CCP (uma coisa que queria muito e que estava constantemente a adiar, por falta de confiança, medo e sei lá mais o quê)

Junho: Graças ao plano financeiro que tracei, paguei uma conta que vinha a adiar há imenso tempo. Oh yeah...

Julho: Mês do meu aniversário, concluí o ccp, apresentei o meu PIP e fui aconselhada a enveredar pela área, uma vez que gostaram muito do meu trabalho (e andava eu a adiar)

Agosto: Férias. O mês mais parado ever...

Setembro: Fomentei parceria com uma colega, agendamos reuniões, fizemos contactos novos... ganhei coragem e criei uma página profissional no facebook... enfim: foi mês de plantar e espero vir a colher no futuro...

Outubro: Primeiro aniversário da minha pequenina... e a par com algumas desilusões no trabalho, percebo, com gratidão, que as mesmas podem ser usadas a meu favor: há que aprender com os erros, certo? 

Novembro: Inicio um curso pequenino de marketing digital, que espero me ajude a dinamizar o negócio nas redes e expandir a coisa e um curso de desenvolvimento pessoal.

 

E que continue assim... 

 A par disto, tenho ainda outros projectos e ideias que pretendo por em prática... mas aquilo que quero reter aqui é que, a partir do momento em que arrisquei, perdi o medo e parei de adiar as decisões, as coisas, ainda que devagarinho, foram acontecendo... 

Chego ao fim de 2018 com o coração renovado e cheio... está a ser, sem duvida, um bom ano.

 

02
Nov18

Idas ao supermercado

Bast

Ainda sobre a ida ao supermercado...

Já repararam na velocidade com que o funcionário do caixa passa as coisas no tapete, e nos atira com o valor final? E nós ali, com as compras atulhadas, a enfiar tudo para dentro dos sacos aos calhas, sem saber se interrompemos para pagar, se acabamos de arrumar antes de tirar a carteira... se as bananas vão chegar a casa amassadas pela embalagem do amaciador da roupa... 

Tiro a carteira, faço o pagamento, recebo os 245 talões que o funcionário me passa para a mão junto com o troco e atiro tudo para dentro da mala... e volta de acabar de enfiar as compras todas para dentro de um saco... sob stress, enquanto que a pessoa atrás de mim da fila me olha de lado para eu me despachar... já a atirar com as coisas dela para cima das minhas...

Mas o que é isto??.. saio de lá com os nervos esfrangalhados.

E ir ao fim de semana está fora de questão, que o caos ainda costuma ser maior. Ah, se me perguntarem qual a tarefa doméstica que menos gosto: é a de ir às compras. 

 

31
Out18

Confiança que se quebra

Bast

Trabalhei quase 10 anos no meu anterior emprego. Saí de lá sem amigos. Mas com boa relação entre os que ficaram.

Tinha colegas com quem me dava bem e com quem colaborava de forma favoravel sem qualquer problema. Nunca tive conflitos no local de trabalho por causa dos diz que disse, porque ela disse isto mas depois fez aquilo ou coisa que o valha, porque nunca me pus a jeito, diga-se de passagem. Lembro-de de, ainda em pequena ouvir o meu pai dizer que amigos eram aqueles que levavamos vida fora, a malta porreira do trabalho, eram colegas. Só! Que até podiam ser meus amigos pessoais fora do trabalho, mas a tudo o que se referia ao local de trabalho e assuntos relacionados com isso, o patamar baixava: eram colegas. 

Ao inicio achei isto uma forma demasiado negra de encarar as coisas, mas a verdade é que me regendo por ela, nunca tive problemas do género. 

O esgotamento, desmotivação e mais uma panóplia de situações levaram-me a estabelecer-me por conta própria, e confesso que o facto de ter que deixar de aturar ou pôr-me a jeito nestas situações, levam-me a querer continuar assim. Mas nada de faz sozinha... e pela primeira vez baixei a guarda. Confiei porque quem não arrisca não petisca e porque não, adensar as relações no trabalho e darmo-nos todos bem? ... Conversas, desabafos, sonhos em comum, muitos projectos... e pumba. Lá vou eu dar razão ao paizinho! 

Só que desta vez ficou-me de emenda... e neste momento já não sei o que é pior: a agonia, dado o ambiente que se partilha aqui ou a mágoa... ou ainda a raiva de mim mesma por ter sido tão estupida.

 

31
Out18

...

Bast

Ontem, ao chegar ao supermercado para fazer umas compras rápidas, bati num carro estacionado. Ia a estacionar, e  com a chuva calculei mal a distância e pumbas... bati.

Acabei de estacionar e ainda dentro do meu carro, puxo de um post-it que trago na carteira e vai de escrever o meu contacto e matrícula para deixar no para-brisas do carro no qual bati. Não concebo a ideia de bater e fugir, afinal de contas, não gostava que me fizessem o mesmo (ainda que já tenha acontecido), pagamos seguros exactamente para estas coisas e dado que até trabalho na área, não ficaria bem comigo mesma se o fizesse... 

Agora, uma coisa que reparei foi na quantidade de mirones... Tooooodo o estacionamento parado, a olhar. A Sra do carro ao lado, que até já tinha posto o carro a trabalhar para se ir embora, desligou a ignição e ficou ali à espera, a olhar... (provavelmente também para ver o que eu ia fazer...)

Adiante... estou eu a sair do carro para colocar o papelito no pára-brisas quando aparece o dono. Expliquei-lhe que ao estacionar bati no carro dele, não tinha ideia da extensão do dano ainda, porque estava a sair do carro com o meu contacto e como estava escuro, ainda não tinha visto. O Sr, simpático, deu a volta comigo ao carro e parece que o toque foi tão inofensivo que não vimos nada. Mesmo assim, insisti que ficasse com o meu nº. De dia, podia ver algo que nos podia escapar ali, no escuro. Agradeceu e descansou-me dizendo que são coisas que acontecem, eu desculpei-me mais uma vez e fomos cada um à sua vida... 

Comentei isto depois no caixa, com o funcionário que assistiu e ele responde: ''Acha mesmo que ficaram ali para ajudar o sr? Foi mas é para ver se a tramavam a si... garanto que a maior parte de quem ali ficou, no seu lugar, se pudesse teria fugido!''

Tristemente, no fundo até sei que isto é verdade... aquela solidariedade toda, talvez não fosse assim tão solidária. De qualquer das formas, se fosse eu a levar com a batida, gostava que também tivessem feito o mesmo por mim, por isso... 

 

 

 

29
Out18

Da mudança de estação

Bast

cozy.jpg

 

Parece que o frio veio para ficar. Tenho os pés enregelados e a mudança de hora este fim de semana, não deixa margem para duvidas. Outono/ Inverno, cá vamos nós...  

Se há uns anos atrás eu deprimia com esta mudança de hora, hoje encaro-a com serenidade. Com o tempo fui aprendendo a ver o lado bom de cada estação e de cada momento. Se adoro o mar e a praia no Verão, o sal na pele e no cabelo e os dias longos e quentes... não é menos verdade que também gosto da manta, dos serões entre filmes, livros e bebidas quentes, e agora dela aninhada no meu colo. 

Este fim de semana foi bom. Saí hoje de manhã de casa para o trabalho com uma energia renovada... com motivação para mudar aquilo que sentia menos bem e a cabeça e o corpo com as energias recarregadas. 

Não fizemos nada de especial, entre um almoço meio sem combinar com amigos, um café e conversa, mimos e brincadeiras, foi um fim de semana bastante caseiro e calmo. Mas às vezes é mesmo só isso que precisamos: simplicidade, silêncio e muita calma na alma.

 

26
Out18

Shopping

Bast

Wardrobe.jpg

 

De há uns tempos para cá, e por motivos de força maior, adoptei um pouco isso a que chamam de armario cápsula. Um pouco pela falta de espaço para guardar roupa que na verdade nunca usava, por questões financeiras e mesmo para me facilitar as coisas no dia a dia, fiz uma limpeza ao armário, reorganizei-o, fiz uma lista de básicos e refiz o guarda roupa. Actualmente pouco compro para mim. E geralmente quando o faço, é no inicio de cada estação, ao reformular as peças que coloco ''mais à mão'' no roupeiro, vejo o que me falta ou o que preciso de substituir, faço uma lista, aguardo pelos chamados 'mid seasons sales' e lá vou eu (acho que nunca mais comprei nada fora de saldo ou de alguma promoção). 

Actualmente gasto menos tempo na hora de vestir, o roupeiro anda mais arrumado (wow) e não sinto falta de andar nas compras, embora continue a gostar de passear em lojas e ir a centros comerciais com as amigas (não deixei de ser gaja!!). Só vantagens portanto.

A coisa muda de figura quando vou às compras para ela... oh céus. Quero tudo. Uma saia, um vestidinho, o casaquinho que combina ali tão bem. A blusinha com este estampado que é tão fofinha, mais o camandro... tenho p'ra mim que se a Zippy ou a Zara kids vendessem saquinhos com pentelhos, eu era menina para até isso querer trazer... 

 

 

 

26
Out18

Como o Outono...

Bast

Fall.jpg

Mal tenho escrito aqui, no entanto a cabeça fervilha de coisas. O corpo cansa-se e sentimento varia entre satisfação e motivação e o cansaço ou um ''receio''.

O receio entre aspas, porque a verdade é que não passa de um feelling... aquela coisa que nos diz que algo não está bem, apesar de não sabermos bem o que é. Vamos dizendo que é a nossa cabeça a inventar coisas, que não é nada, mas o peito continua apertado. Poderá ser ansiedade também, não sei.

Sei que estes dias ando muito assim... 

Tenho muitos projectos e acredito neles... olho para trás e vejo o tanto que já consegui. Se por um lado confio em mim e no que tenho vindo a construir, por outro começo a sentir uma ponta de frustração porque afinal de contas os resultados não chegam na mesma proporção do esforço, dos sonhos e daquilo que nos vamos (e nos vão) prometendo.

O Outono chegou e eu começo a sentir-me como a estação. Devagarinho, a recolher-me. A precisar parar um pouco para olhar para dentro e para o que de facto quero deixar partir e aquilo em que vale a pena continuar a plantar para colher depois.

 

 

 

17
Set18

Diz que hoje é dia do Roberto...

Bast

Criei uma página de facebook profissional. 

Ah e tal, porque diz que é bom para promover o negócio, porque as redes sociais vendem, porque é importante estarmos conectados e coiso... e eu sei isso tudo e confesso que até já tive um feedback positivo da coisa.

Tudo óptimo... a sério.

Só que não só...

Porque o negócio tem o meu nome. 

E porque eu usava o meu facebook para as minhas baboseiras e piadas (ainda que a maior parte delas, só tenha piada para mim, mas adiante...) e agora a coisa condiciona.

Esteve cá no outro dia um entendido em marketing digital e veio com dicas superpreciosas, do tipo: evitar comentários ou posts relacionados com politica, futebol e religião... nada que uma pessoa não saiba de antemão né, mas pronto.

Logo agora que o clube rival tem tanto material do bom, eu tenho que ficar sugadita no meu canto. Não se faz...

E agora vocês perguntam: Olha lá e o que é que o título tem a ver com o post?

Vi no facebook que hoje é dia do Roberto... logo me lembrei do Roberto. Aquele que me encheu de alegrias há uns anos e que vou guardar sempre na memória e no coração. Era guarda-redes do benfica, lembram-se?

Ah, mas olha lá, tu não és do FCP?

Exacto! 

 

 

17
Set18

Bipolaridades e coiso...

Bast

Estes dias atravessei uma crise existencial.

Precisava de ir às compras... a ultima vez que fui às compras foi em Maio, quando estive em Lisboa numa formação. Eu e uma bestfriend rumamos ao Colombo, comemos bife e fomos às lojas... 

Nunca mais consegui comprar nada... não gosto destas colecções que têm saído nos ultimos tempos e ainda por cima noto assim um decréscimo brutal na qualidade das coisas, face aos preços. Maus acabamentos, tecidos desconfortáveis... já nem menciono o calçado... já não se vendem sapatos senhores, agora só objectos de tortura medieval, alguns com 'strass' para enganar...

A isto tudo junta-se uma pequena criança, que apesar de ser o meu mundo, não me facilita na hora de ir às compras... se eu já não gostava de experimentar roupa, agora é impossível ir com ela para os provadores. E mesmo a ida à loja é complicado, com toda a logística que isso implica (sacos de fraldas, merendinhas, o meu saco, carrinho...brinquedos) 

Mas este fim de semana... oh senhores... rumei à rua central da cidade, onde, várias lojas de comércio a ceu aberto me aguardavam... óculos de sol, sorriso no rosto, vontade de passear e compras. Para mim. Juro que desta vez, não escolhi um unico vestidinho para a Infanta. 

Ah... 

E então, estás feliz?, perguntam-me vocês

Não. Tudo feio. Não era nada daquilo que eu queria, não sei o que me passou pela cabeça... Está tudo dentro dos sacos na mala do carro para hoje passar lá e devolver ou trocar. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D