Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Outro dia

Outro dia

31
Out18

Confiança que se quebra

Bast

Trabalhei quase 10 anos no meu anterior emprego. Saí de lá sem amigos. Mas com boa relação entre os que ficaram.

Tinha colegas com quem me dava bem e com quem colaborava de forma favoravel sem qualquer problema. Nunca tive conflitos no local de trabalho por causa dos diz que disse, porque ela disse isto mas depois fez aquilo ou coisa que o valha, porque nunca me pus a jeito, diga-se de passagem. Lembro-de de, ainda em pequena ouvir o meu pai dizer que amigos eram aqueles que levavamos vida fora, a malta porreira do trabalho, eram colegas. Só! Que até podiam ser meus amigos pessoais fora do trabalho, mas a tudo o que se referia ao local de trabalho e assuntos relacionados com isso, o patamar baixava: eram colegas. 

Ao inicio achei isto uma forma demasiado negra de encarar as coisas, mas a verdade é que me regendo por ela, nunca tive problemas do género. 

O esgotamento, desmotivação e mais uma panóplia de situações levaram-me a estabelecer-me por conta própria, e confesso que o facto de ter que deixar de aturar ou pôr-me a jeito nestas situações, levam-me a querer continuar assim. Mas nada de faz sozinha... e pela primeira vez baixei a guarda. Confiei porque quem não arrisca não petisca e porque não, adensar as relações no trabalho e darmo-nos todos bem? ... Conversas, desabafos, sonhos em comum, muitos projectos... e pumba. Lá vou eu dar razão ao paizinho! 

Só que desta vez ficou-me de emenda... e neste momento já não sei o que é pior: a agonia, dado o ambiente que se partilha aqui ou a mágoa... ou ainda a raiva de mim mesma por ter sido tão estupida.

 

31
Out18

...

Bast

Ontem, ao chegar ao supermercado para fazer umas compras rápidas, bati num carro estacionado. Ia a estacionar, e  com a chuva calculei mal a distância e pumbas... bati.

Acabei de estacionar e ainda dentro do meu carro, puxo de um post-it que trago na carteira e vai de escrever o meu contacto e matrícula para deixar no para-brisas do carro no qual bati. Não concebo a ideia de bater e fugir, afinal de contas, não gostava que me fizessem o mesmo (ainda que já tenha acontecido), pagamos seguros exactamente para estas coisas e dado que até trabalho na área, não ficaria bem comigo mesma se o fizesse... 

Agora, uma coisa que reparei foi na quantidade de mirones... Tooooodo o estacionamento parado, a olhar. A Sra do carro ao lado, que até já tinha posto o carro a trabalhar para se ir embora, desligou a ignição e ficou ali à espera, a olhar... (provavelmente também para ver o que eu ia fazer...)

Adiante... estou eu a sair do carro para colocar o papelito no pára-brisas quando aparece o dono. Expliquei-lhe que ao estacionar bati no carro dele, não tinha ideia da extensão do dano ainda, porque estava a sair do carro com o meu contacto e como estava escuro, ainda não tinha visto. O Sr, simpático, deu a volta comigo ao carro e parece que o toque foi tão inofensivo que não vimos nada. Mesmo assim, insisti que ficasse com o meu nº. De dia, podia ver algo que nos podia escapar ali, no escuro. Agradeceu e descansou-me dizendo que são coisas que acontecem, eu desculpei-me mais uma vez e fomos cada um à sua vida... 

Comentei isto depois no caixa, com o funcionário que assistiu e ele responde: ''Acha mesmo que ficaram ali para ajudar o sr? Foi mas é para ver se a tramavam a si... garanto que a maior parte de quem ali ficou, no seu lugar, se pudesse teria fugido!''

Tristemente, no fundo até sei que isto é verdade... aquela solidariedade toda, talvez não fosse assim tão solidária. De qualquer das formas, se fosse eu a levar com a batida, gostava que também tivessem feito o mesmo por mim, por isso... 

 

 

 

29
Out18

Da mudança de estação

Bast

cozy.jpg

 

Parece que o frio veio para ficar. Tenho os pés enregelados e a mudança de hora este fim de semana, não deixa margem para duvidas. Outono/ Inverno, cá vamos nós...  

Se há uns anos atrás eu deprimia com esta mudança de hora, hoje encaro-a com serenidade. Com o tempo fui aprendendo a ver o lado bom de cada estação e de cada momento. Se adoro o mar e a praia no Verão, o sal na pele e no cabelo e os dias longos e quentes... não é menos verdade que também gosto da manta, dos serões entre filmes, livros e bebidas quentes, e agora dela aninhada no meu colo. 

Este fim de semana foi bom. Saí hoje de manhã de casa para o trabalho com uma energia renovada... com motivação para mudar aquilo que sentia menos bem e a cabeça e o corpo com as energias recarregadas. 

Não fizemos nada de especial, entre um almoço meio sem combinar com amigos, um café e conversa, mimos e brincadeiras, foi um fim de semana bastante caseiro e calmo. Mas às vezes é mesmo só isso que precisamos: simplicidade, silêncio e muita calma na alma.

 

26
Out18

Shopping

Bast

Wardrobe.jpg

 

De há uns tempos para cá, e por motivos de força maior, adoptei um pouco isso a que chamam de armario cápsula. Um pouco pela falta de espaço para guardar roupa que na verdade nunca usava, por questões financeiras e mesmo para me facilitar as coisas no dia a dia, fiz uma limpeza ao armário, reorganizei-o, fiz uma lista de básicos e refiz o guarda roupa. Actualmente pouco compro para mim. E geralmente quando o faço, é no inicio de cada estação, ao reformular as peças que coloco ''mais à mão'' no roupeiro, vejo o que me falta ou o que preciso de substituir, faço uma lista, aguardo pelos chamados 'mid seasons sales' e lá vou eu (acho que nunca mais comprei nada fora de saldo ou de alguma promoção). 

Actualmente gasto menos tempo na hora de vestir, o roupeiro anda mais arrumado (wow) e não sinto falta de andar nas compras, embora continue a gostar de passear em lojas e ir a centros comerciais com as amigas (não deixei de ser gaja!!). Só vantagens portanto.

A coisa muda de figura quando vou às compras para ela... oh céus. Quero tudo. Uma saia, um vestidinho, o casaquinho que combina ali tão bem. A blusinha com este estampado que é tão fofinha, mais o camandro... tenho p'ra mim que se a Zippy ou a Zara kids vendessem saquinhos com pentelhos, eu era menina para até isso querer trazer... 

 

 

 

26
Out18

Como o Outono...

Bast

Fall.jpg

Mal tenho escrito aqui, no entanto a cabeça fervilha de coisas. O corpo cansa-se e sentimento varia entre satisfação e motivação e o cansaço ou um ''receio''.

O receio entre aspas, porque a verdade é que não passa de um feelling... aquela coisa que nos diz que algo não está bem, apesar de não sabermos bem o que é. Vamos dizendo que é a nossa cabeça a inventar coisas, que não é nada, mas o peito continua apertado. Poderá ser ansiedade também, não sei.

Sei que estes dias ando muito assim... 

Tenho muitos projectos e acredito neles... olho para trás e vejo o tanto que já consegui. Se por um lado confio em mim e no que tenho vindo a construir, por outro começo a sentir uma ponta de frustração porque afinal de contas os resultados não chegam na mesma proporção do esforço, dos sonhos e daquilo que nos vamos (e nos vão) prometendo.

O Outono chegou e eu começo a sentir-me como a estação. Devagarinho, a recolher-me. A precisar parar um pouco para olhar para dentro e para o que de facto quero deixar partir e aquilo em que vale a pena continuar a plantar para colher depois.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D